edição digital

“Eu acredito nos vinhos portugueses e na qualidade dos produtos portugueses...”

16/05/17 ECONOMIA Imagem

José Rego é natural de Figueiró da Serra no concelho de Gouveia. Está nos Estados Unidos desde 1983 onde fundou a ‘JR World Trading’, empresa especializada na representação de produtos e marcas privadas que se dedica ao comércio e serviços para importadores, distribuidores, comerciantes e agentes em vários países pelo mundo. Hoje a empresa representa vários grandes fabricantes e cria condições de flexibilidade para executar todo o tipo de encomendas numa ampla gama de requisitos de produtos.

Como surgiu a ‘JR World Trading’?
A ‘JR World Trading’ iniciou-se há 24 anos na área alimentar. Na altura fiz uma análise de quais seriam os produtos adequados para o mercado americano e fui buscar 4 a 5 produtos básicos que o grande mercado americano da distribuição aqui em New Jersey não tinha. Pasta de goiaba do Brasil, fava congelada do Chile e bacalhau sem pele e sem espinha da China, que era comprado congelado no Alasca russo, americano e canadiano e era processado na China. Eu trazia já salgado e seco da China. Para estes produtos com que comecei, ainda hoje tenho o mesmo fornecedor e os mesmos clientes que claro, entretanto, foram aumentando e comecei a trabalhar com outros países como a Tailândia, o Vietname, a Argentina. Visito os países pelo menos uma vez por ano e as portas começaram a abrir-se. Com as empresas que comecei a representar no Brasil, procurei matéria-prima para lhes vender, representava-os e vendia para eles. Este foi o sentido que comecei então a tomar noutros países e consegui canalizar oito países a trabalhar e a misturar produtos de um lado para o outro. O meu trabalho é apenas representação. Eu represento o cliente e represento o fabricante ou o produtor e canalizo os dois. O meu serviço é pago mediante uma comissão de ‘broker’. Normalmente sou pago depois do negócio feito, as vendas são feitas através de mim e sou remunerado em percentagem.
Há 4, 5 anos comecei também a virar-me para Portugal, na área dos vinhos e dos vegetais congelados. Abri os mercados da China, do Brasil, dos Estados Undos a grupos portugueses que nunca tinham exportado. Na área dos vinhos estamos a fazer um trabalho muito bom. Na área dos vegetais congelados apercebi-me que o Brasil importava muito da Europa, da Bélgica, Espanha, França e havia interesse em levar empresas na área dos vegetais congelados para o Brasil. Hoje estamos a vender ervilha congelada, vegetais mistos e como vi que a qualidade era muito boa comecei também a trazer para os Estados Unidos. Consegui encaixar-me em dois grupos aqui nos Estados Unidos e aí a parceria desenvolveu-se, neste momento já vendo para África, óleo de soja da Argentina, açúcar do Brasil ou da Argentina em contentores, vendo qualquer tipo de produto alimentar derivado ao conhecimento adquirido ao transacionar com os meus contactos. Há companhias em Portugal que vendem para Angola que me pedem diariamente cotações para leite, carne e batata ou frango.

(...) Hoje o intermediário do negócio funciona como um consultor e é um promotor do produto de quem o fabrica e de quem o deseja. Assim começa-se a ganhar knowhow e vão-se criando os canais, os agentes, as empresas interessadas e a partir dai vão aparecendo novas oportunidades. (...)

É um negócio em crescimento?
Hoje o intermediário do negócio funciona como um consultor. Ele é um promotor do produto de quem o fabrica e de quem o deseja. Assim começa-se a ganhar knowhow e vão-se criando os canais, os agentes, as empresas interessadas e a partir dai vão aparecendo novas oportunidades. É muito interessante porque vão-se criando amizades e afinidades com as pessoas. Por vezes nós acreditamos em determinados produtos, até naqueles que muitas vezes nos dizem que à partida não vão ter interesse, mas quando nós vemos que é um produto interessante, que nós gostamos ou apreciamos e que tem qualidade, tentamos impor esse produto no mercado com base no potencial que vemos. Esse é o trabalho do agente.
Estamos agora a tratar da licença de álcool para os Estados Unidos, só para os vinhos. Eu tenho licença de venda de vinhos no Brasil, neste momento estamos já a fazer importação e distribuição lá, eu acredito que pode ser o negócio interessante. Nós temos vinhos muito bons, talvez dos melhores vinhos. Eu acredito nos vinhos portugueses e na qualidade portuguesa. Acho que se consegui entrar no mercado brasileiro que neste momento é tão competitivo e exigente, e foi fácil eu penetrar com sucesso, posso entrar com os mesmos vinhos portugueses nos Estados Unidos porque tenho a certeza que no mercado americano pode ter a sua aceitação e força de venda. Olhando ao preço e à qualidade do vinho, do engarrafamento, dos rótulos.

Qual é a perceção dos diferentes mercados em relação aos produtos portugueses?
Portugal é um país pequenino. Acho que nos últimos 10 anos, principalmente nos últimos 7 anos, Portugal começou a virar uma página na sua história. As novas gerações que se criaram em Portugal, com uma visão de expansão, começaram a trabalhar a qualidade dos produtos. Esta visão de expansão, de exportação resultou na criação de muitos produtos de qualidade, muito competitivos e que vão de encontro aos ‘standards’ de importação de cada país. Ao nível de imagem, de empacotamento, de embalamento, serviços de documentação e de exportação, as pessoas adaptaram-se, estudaram e ficaram com uma cultura que está a ajudar muito Portugal na exportação dos seus produtos. Por isso Portugal cresceu muito na exportação.
A aceitação dos produtos portugueses é muito boa, por exemplo do azeite, foquemo-nos nos produtos principais da área alimentar, Portugal tem dos melhores azeites do mundo. Os novos enólogos, novas castas, trabalhou-se muito na imagem e qualidade do produto. Hoje temos dos melhores vinhos do mundo.
Na área dos vegetais congelados, por exemplo, se comprar uma ervilha congelada portuguesa e a comparar com outra ervilha de qualquer outro país, noto a diferença. Ela é mais saborosa, mais doce, mais suave. Nós temos qualidade e temos que apostar em produtos que hoje fazem falta no mercado como por exemplo a castanha. A castanha hoje vende-se fresca, congelada, pilada, em farinha, há muitas formas de vender a castanha pelo mundo. As grandes cadeias e os grandes restaurantes, mais famosos, usam muito a castanha. Este é outro produto que no norte de Portugal tem todas as condições para a sua produção e exportação. Temos frutas fabulosas nas quais deveríamos apostar mais. No congelamento para a venda na indústria de sumos, de sucos, de poupas de fruta. Temos estas condições por exemplo para a Pera Rocha, que é uma fruta única de Portugal, mais ninguém tem, devíamos apostar mais nela. Não só na venda da fruta, mas também da poupa ou no congelamento, como se vendem os morangos, a framboesa, a amora, deveríamos apostar mais nesses produtos.

(...) Nos últimos 10 anos, principalmente nos últimos 7 anos, Portugal começou a virar uma página na sua história. As novas gerações que se criaram em Portugal, com uma visão de expansão, começaram a trabalhar a qualidade dos produtos. Esta visão de expansão, de exportação resultou na criação de muitos produtos de qualidade, muito competitivos e que vão de encontro aos ‘standards’ de importação de cada país (...)

Temos também a qualidade dos nossos peixes que são muito apreciados no mundo inteiro. Temos qualidade nos tecidos, no calçado. Temos muitos produtos que podemos exportar mais. Atualmente estamos numa vertente de aposta certa na qualidade e uma visão de produtos que podem ter grande impacto na exportação.
No mercado dos Estados Unidos e do Brasil noto que quando um americano pega no produto português e sabe disso, ao compará-lo com outros produtos, ele vai reconhecer essa qualidade e passa a consumir esse produto. É o que se está a passar por exemplo com os azeites e com os vinhos, entre outros produtos que estão a entrar. Isto é muito bom porque cria uma imagem e leva os grandes importadores e distribuidores a darem preferência a muitos produtos portugueses.

Há ainda muito por fazer nesta área?
A forma mais fácil de fazer os mercados ganhar interesse pelos produtos portugueses é levá-los a Portugal. Quando eles vão a Portugal e provam o vinho de 10 ou mais adegas e vêm os preços tenho a certeza que eles vão importar vinho de Portugal. É igual com os azeites ou o pescado. Outro produto que tem muito potencial de exportação para os EUA são os presuntos de porco preto alentejano e os enchidos, apesar de haver burocracias com a licença para entrar nos Estados Unidos, fruto apenas de uma má política. Acho que Portugal ainda não deu a devida atenção a este assunto.

SISAB Portugal

MUNDO PORTUGUÊS - ASSINE JÁ

Medalha de Mérito das Comunidades


Maior Onda surfada do Mundo


Mundo Português TV


Mundo Português APP





Meteorologia

No nosso Facebook...

Mario Fazenda

Parabéns ao Mundo Português


Vicentina Coelho

o + importante de tudo é voces publicarem a historia,, e lindo


Alvaro Rodrigues

Bom Dia para todos voces desse Mundo Português. Saudades desse lindo Porto que eu vivi nos meus anos de 50 a 1955. Um grande abraço e continuem mandando lindas fotos.


Maria Aurora Ribeiro

Um domingo maravilhoso para todos nós Portugueses espalhados pelo mundo eu moro no Brasil tenho muita saudade da minha terra natal beijinhos


Maria Isilda Sousa Faria

Muitos saludos aos portugueses pelo mundo fora desde caracas venezuela


Fatima Alves de Andrade

Felicitacoes! Temos que celebrar o que e nosso.


Ailton Aurora Alves

Bom dia e boa tarde para meu Portugal que amo de paixão !!!! muitos beijos para todos os Portugueses


Ayelen De Jesús Correia

Muitos parabéns ao Dr Carlos Morais, pelo trabalho realizado para o benefício da comunidade Português no mundo. Um prazer ter conhecido a o Sr Carlos e tudo o equipe do O Emigrante/ Mundo Português.


Jose Maria Monteiro

11.10.15 - Da cidade de CALW - Alemanha BADEN WURTENBERG Bom dia para todo o Mundo e, um bom Domingo para todos os meus amigos !!!


Armando Figueiredo

Johannesburg, Africa do Sul... Tempo maravilhoso,..um optimo dia pessoal!...


Silvia Leiva

olá! desde Santa Fe, na Argentina,um beijo para todos os portugueses. cá, esperando que a primaveira chegue de verdade :P faz frio ainda!!!!! carinhossss


Isabel Loyola

Parabéns pela página! Sou brasileira de Curitiba e leio-a com imenso prazer.


Maria Esteves?

Desejo a todos os emigrantes portugueses muita sorte e muita saúde


Maria Clara

Obrigada por esta página; pois tudo q diz respeito a Portugal me interessa, pois eu moro no Brasil; um abraço.


Maria Rosa

Muito bom mesmo!!! Meus parabéns a todos, tenham um bom dia.




Marcas Grupo